São Gonçalo de Lagos

São Gonçalo de Lagos

Dia do Município de Lagos

Celebrou-se no passado dia 27 de Outubro o «Dia do Município de Lagos».

A propósito desta efeméride, recordamos um texto da nossa autoria, publicado na nossa 36ª edição:

«Foi durante o reinado de Dom Sebastião (de cognome «O Desejado», Lisboa, 20 de Janeiro de 1554 – Alcácer-Quibir, 4 de Agosto de 1578), mais precisamente no dia 27 de Janeiro de 1573 que Lagos foi «elevada» a Cidade, única distinção do género atribuída durante o seu reinado.

Contudo, foi em 23 de Novembro de 1971 (Decreto 517/71) que se determinou que o feriado municipal deste município algarvio seria celebrado no dia 27 de Outubro.

E porquê, poderá questionar-se, uma vez que São Gonçalo não nasceu nem faleceu neste dia? Nem, tão pouco, há na cronologia da sua vida algo que o associe a 27 de Outubro?

De facto, desconhece-se a existência de qualquer documento ou explicação que justifique a escolha racional desta data para celebração do Dia do Município de Lagos, dia do seu feriado municipal e que, em rigor, deveria ser celebrada em 27 de Janeiro e não em 27 de Outubro.

Tal escolha poderá ter resultado de algum desconhecimento local da data de elevação de Lagos a cidade por Dom Sebastião?

E terá sido, também, essa a razão para que a estátua da autoria de José Cutileiro tenha sido implantada na Praça da Cidade que ostenta o nome do navegador Gil Eanes, em 1973 («apenas» dois anos após o Decreto que instituiu o feriado Municipal de Lagos)?

Ou, por outro lado, a escolha de 27 de Outubro ter-se-á ficado a dever à pressão da comunidade católica local junto do poder político de então? Seja qual for a verdadeira resposta, seja qual for a verdade histórica, certo é que Lagos continua a celebrar o seu Feriado Municipal a 27 de Outubro».

Uma feira de gado

Feira Franca, de Lagos

A Feira Franca de Lagos

A Feira Franca de Lagos realiza-se, em finais de Novembro, desde 1931, tendo surgido por deliberação camarária. «A Comissão, por proposta do vogal, Sr. Crisógono dos Santos, deliberou unanimemente estabelecer em Lagos uma nova Feira anual de gado e outras mercadorias, isenta de qualquer taxa ou imposto municipal de terrado, e que deverá realizar-se, a contar do presente ano, e aos dias vinte a vinte e um de Novembro, no Rossio de S. João, freguesia de São Sebastião, desta cidade.», lê-se no livro «A Feira Franca de Lagos (Subsídios para a sua história) - 1987 -, da autoria de José António de Jesus Martins.

Esclarece este autor que «Estamos em presença de uma realidade sócio-económica do segundo quartel do século XX, que adoptou uma denominação medieval e que nos seus propósitos muito se identifica com o aparecimento das primeiras feiras em Portugal».

Recorda-se que nos anos sessenta e setenta do século XX, a Feira Franca começava perto da Rua dos Burros (da Capelinha) e estendia-se até ao Rossio de São João, onde permaneceu até finais do século XX, tendo passado, mais tarde, para o terreno perto do Estádio Municipal.

Resta recordar que, até hoje, ainda por cumprir, encontram-se as inúmeras promessas de dotar o espaço onde tem tido lugar a Feira Franca, de Lagos, de condições dignas e condignas para este evento (o que, ironicamente, não será necessário este ano, devido à COVID19 e à impossibilidade daí decorrente de se vir a realizar).